sábado, 1 de agosto de 2009

Jeffrey Dahmer

Nome Completo: Jeffrey Lionel Dahmer
Sexo: Masculino
Data de Nascimento: 21 de maio de 1960
Local de Nascimento: Milwaukee - EUA
Número de vítimas: 17
Motivo: Sexual/Sádico
Data da Morte: 28 de novembro de 1994
Como morreu: Assassinado na prisão por outro preso

História

Jeffrey Lionel Dahmer nasceu em 21 de maio de 1960, na cidade de Milwaukee, Winconsin. Seu pai, Lionel, era químico, e sua mãe, Joyce, instrutora de máquinas de teletipo. Sua gravidez fora bastante difícil. O casal brigava muito e Joyce era vista como uma pessoa hipersensível, com a infância marcada pela presença de um pai alcoólatra. O modelo de casamento do casal Dahmer não animava o filho a um dia se casar. A mudança da família para o Iowa, onde Lionel concluía seu doutorado na Universidade Estadual, uniu-os em torno de um novo objetivo. A felicidade só não era completa porque Joyce era uma mulher muito tensa, dificultando ainda mais a adaptação da família no novo endereço, e Lionel vivia trancado em laboratórios, absorto demais no trabalho e pouco presente nas questões domésticas.
Aos 4 anos de idade, Jeffrey foi submetido a uma cirurgia para extirpar duas hérnias, mas foi enganado quanto ao que ia acontecer, relatando depois que ficou muito assustado ao saber que pessoas estranhas explorariam seu corpo aberto. A operação marcou de forma indelével seu subconsciente? Aparentemente ele vai repeti-la em suas vítimas, abrindo seu tórax e “operando” suas vísceras.
Três acontecimentos pontuaram a vida de Jeffrey aos 6 anos de idade: sua mãe deu a luz um menino, a família mudou-se para Ohio, onde seu pai trabalharia como pesquisador, e ele entrou para a escola. Segundo o relato de seu pai, nessa época ele se tornou extremamente tímido, inseguro, vulnerável e introvertido. Jamais foi muito próximo do irmão, permanecia longos períodos em silêncio e vivia isolado. Estava aterrorizado em ir para a escola e teve dificuldades de se adaptar.
Dos 10 aos 15 anos, sua personalidade sofreu mudanças drásticas. De menino quieto e tímido passou a ser um jovem tenso, rígido e inflexível. Passava horas trancado em casa sozinho e respondia às pessoas monossilabicamente, de forma quase inaudível. Não se engajava em nada, ficava à parte do mundo a sua volta, vivia perdido em fantasias. Segundo o depoimento de algumas pessoas durante o julgamento, nessa época Jeffrey tinha fascínio por animais mortos e os recolhia depois de atropelados em estradas para examiná-los melhor. Fazia cruéis experimentos com animais, decapitando roedores, branqueando ossos de galinha com acido, empalando cabeças de cachorro e espalhando-as como espantalhos na floresta.
No ensino médio, Jeffrey era um aluno acima de média, e participava de algumas atividades: jogava tênis e participava do jornal escolar. Seus colegas, no entanto, o consideravam um alcoólatra solitário que costumava levar licor para a sala de aula.
Na vida familiar as coisas não iam muito bem. As brigas entre Lionel e Joyce aumentaram muito, até que se separaram e iniciaram uma batalha legal pela custodia do segundo filho, David. Lionel logo se casou de novo, e Shari, a segunda esposa, não demorou a perceber que o filho mais velho do marido era, de fato, alcoólatra. Tentando resgatar a saúde do rapaz, insistiram para que cursasse a Universidade Estadual de Ohio, mas o plano falhou logo no primeiro semestre, quando Jeffrey repetiu, conseqüência de ter passado todo o tempo bebendo. Lionel, decepcionado, colocou para o filho duas opções: arrumar emprego ou alistar-se no exército. Jeffrey optou pelo exército.

Primeiro assassinato

Em junho de 1978, Dahmer cruzou a linha de experimentos mórbidos para assassinatos. Sua vítima, Steven Hicks, pedia carona e Dahmer levou-a para casa para um drinque e algumas risadas. Quando Hicks tentou sair, Dahmer atingiu sua cabeça com halteres, estrangulou-o até a morte e então desmembrou e enterrou seu corpo.
Inicia-se ai um ritual que este assassino incrementaria durante os anos em que cometeu os mais atrozes crimes.

Exército e volta aos EUA

Jeffrey passou dois anos servindo o exército na Alemanha, mas foi dispensado por alcoolismo. Não há registros de crimes cometidos por ele nesse país.
Ao voltar para os Estados Unidos, foi preso pela primeira vez, por desordem e embriaguez. Seguindo os conselhos do pai, foi morar na casa da avó em West Asslin, Wisconsin.
Como é comum no histórico de serial killers, a violência de Jeffrey foi aumentando e seu estado emocional se agravou, assim como o alcoolismo. Em 1986 foi processado pelo que, nos Estados Unidos, chama-se de exposição indecente, quando foi preso ao se masturbar na frente de dois meninos.
Em 15 de setembro de 1987, Steven Tuomi desapareceu em Milwaukee, e o mistério não foi resolvido até Dahmer confessar seu assassinato, em 1991. James Doxtator foi o próximo a morrer, em janeiro de 1988, seguido por Richard Guerreiro, em 24 de março. Em setembro de 1988, as horas estranhas de Jeffrey e seus “experimentos” tornaram-se demais para sua avó, que pediu que ele se mudasse. Em 25 de setembro ele encontrou um apartamento em North 25th Street Milwaukee.
No dia seguinte, Dahmer atraiu um garoto de Laos para seu apartamento, acariciou-o e ofereceu dinheiro para uma sessão como modelo nu. A policia foi chamada e Dahmer foi acusado de agressão sexual. Condenado em janeiro de 1989, ele permaneceu livre, pendente de uma sentença formal marcada para maio. Enquanto isso, em 25 de março, Dahmer trucidou a vítima Anthony Sears.
Sentenciado a 5 anos de condicional por molestar crianças, sendo que no primeiro ano ficou dormindo na cadeia, mas podia sair diariamente para trabalhar. Ninguém sabia que ele já era um matador, necrófilo e canibal.
A sessão de mortes foi reassumida com Edward Smith, em junho de 1990. A vítima de julho foi Raymond Smith(nenhuma relação com Edward). Ernest Miller e David Thomas foram cruelmente mortos em setembro. Dahmer matou Curtis Straughter em fevereiro de 1991. Errol Lindsey entrou para a lista em abril, seguido por Anthony Hughes em maio.
Nessa época, Dahmer concebeu a bizarra noção de criar “zumbis”, que seriam seus brinquedos sexuais vivos, obedientes a cada um de seus caprichos. Em vez de usar vodu, Jeffrey optou por uma abordagem mais direta, fazendo buracos na cabeça de vítimas selecionadas, então pingando líquidos cáusticos nas feridas em um esforço para destruir a vontade consciente do sujeito. Não é necessário dizer que a estranha abordagem de neurocirurgia tenha uma taxa de falha de 100%, e que nenhum dos “pacientes” de Dahmer sobreviveu.

Uma vítima quase sobrevive

Entretanto um quase conseguiu. Em maio de 1991, os policiais de Milwaukee atenderam a um chamado na rua em que Jeffrey morava. Ali acontecia uma discussão acalorada entre vizinhos: duas jovens, um homem branco de boa aparência e um rapaz asiático, nu e sangrando. Ao ouvirem os envolvidos souberam que as meninas, um tanto histéricas, os chamaram para que “salvassem” o garoto, que tinham visto correr do vizinho visivelmente aterrorizado. Os policiais envolveram o rapaz em um cobertor e tentaram colher sua versão da história, mas ele estava apático, murmurava palavras incompreensíveis e parecia estar bêbado ou drogado. Por outro lado, o homem loiro estava bastante calmo e controlado e sua versão dos fatos era muito convincente: ele e o asiático eram amantes e exageraram um pouco. Não, o namorado não era menor de idade, já tinha 19 anos, foi o que relatou.
Acompanharam o estranho casal até o apartamento indicado pelo homem, sentiram um cheiro estranho, mas foi só. As roupas do rapaz estavam dobradas sobre o sofá e tudo se achava em perfeita ordem. Se a polícia tivesse feito o seu trabalho com competência, saberia que o dono do apartamento tinha antecedentes criminais em abuso sexual de menores em 1988; por uma infeliz coincidência sua vítima no caso anterior era irmão da atual, que tinha apenas 14 anos. Tratava-se de Konerak Sinthasomphone, laociano, que dias depois teria publicada a sua foto no jornal como desaparecido.

Continuam os crimes

A causa da destruição continuou: Matt Turner, morto em 30 de junho; Jeremiah Weinberg, em 7 de julho, Oliver Lacy, em 15 de julho; Joseph Brandehoft, em 19 de julho. Além do estupro, assassinato e desmembramento das vítimas, Dahmer também experimentou canibalismo com pelo menos um corpo, embora negasse ser isso sua prática comum.

Finalmente preso


Em julho de 1991, dois policiais que faziam sua ronda perto da Universidade de Marquette, em Milwaukee, prenderam um homem negro que corria pelas ruas ainda algemado, com a certeza de que se tratava de um fugitivo. Ele contava uma estranha história de que estava num encontro homossexual quando o parceiro o algemou e estava tentando matá-lo. Apesar de descrentes e sem nenhuma vontade de se envolver numa briga de casal, acompanharam o rapaz que se identificou como Tracy Edwards ao endereço indicado por ele.
Ao chegar ao local localizado no número 2357 da South 57th Street, foram atendidos por um educadíssimo homem que morava no apartamento 213. Ele confirmou que Edwards estava se encontrando com ele e foi até o quarto buscar as chaves da algema. Policias e vítima estavam aguardando, quando esta última se lembrou de uma faca que se achava no quarto. Um dos policiais,sem demora, seguiu no encalço do dono do apartamento pelo corredor, mas foi pego de surpresa pela decoração das paredes. Eram cobertas de fotografias do tipo polaróide, mas não de paisagens ou pessoas, e sim de cadáveres, vísceras, sangue, cabeças decepadas. Antes que pudesse dar voz de prisão a Jeffrey Dahmer, este tentou enfrentá-lo, mas foi subjulgado. As surpresas dentro do apartamento deste assassino estavam prestes a serem descobertas e deixarem muitas pessoas atônitas e perplexas.
Na geladeira, sobre a prateleira central estava uma cabeça em estado avançado de decomposição. No congelador foram apreendidas mais três cabeças escalpeladas e acondicionadas em sacos plásticos amarrados com elásticos. Também foram encontrados recipientes de metal contendo mãos e pênis decompostos. No armário, frascos com álcool etílico, clorofórmio e formol, junto com outros onde jaziam genitálias masculinas preservadas. Na pia da cozinha havia um torso humano rasgado do pescoço até a pélvis. Na tábua de carne ao lado, um pênis fatiado, pronto para ir para a panela. Também foram apreendidos dois tonéis com capacidade de 189,5 litros, repletos de torsos humanos apodrecendo.
No apartamento de Jeffrey Dahmer foram identificados os restos mortais de 11 vítimas diferentes; 11 crânios, um esqueleto completo, ossos em geral, mãos, genitais embalsamados e pacotes de corações, músculos e outros órgãos mantidos no ácido ou refrigerador.



Julgamento

Em 22 de agosto de 1991, Dahmer foi indiciado em 15 acusações de assassinato. Em seu julgamento, iniciado em 30 de janeiro de 1992, presidia os trabalhos o juiz Laurence C. Gram Jr., acompanhado do promotor Michael MacCann, e defendendo o réu o advogado Gerald Boyle, que já havia feito sua defesa anteriormente no processo de abuso infantil.
Desobedecendo à orientação de seu advogado, em 13 de julho de 1992, Dahmer se declarou culpado dos crimes pelos quais era acusado. Só restava para a defesa que ele fosse considerado mentalmente insano.
Enquanto a defesa alegava que só um louco poderia ter cometido crimes hediondos da natureza daqueles descritos ali, a acusação demonstrava a frieza da premeditação e a complexidade do planejamento ali envolvidas.
O advogado de defesa apresentou 45 testemunhas que atestaram o comportamento estranho de Dahmer, suas desordens mentais e sexuais que o impediam de entender a natureza de seus crimes. A acusação demonstrou que ele era perfeitamente capaz de controlar suas vontades, uma vez que não havia matado nenhum soldado no tempo em que servira o exército ou colega quando frequentara a escola.
Psiquiatras depuseram por ambas as partes. Não se chegava a um consenso; cada um dissertava sobre um ponto de vista diferente. A grande discussão entre os profissionais envolvidos, se o réu era capaz ou não de controlar suas ações, chegou a confundir o júri.
A defesa alegou que “...crânios trancados, canibalismo, ímpetos sexuais, perfurações, fazer zumbis, necrofilia, alcoolismo, tentar criar santuários, lobotomias, decomposição de cadáveres, taxidermia, idas ao cemitério, masturbação,... este era Jeffrey Dahmer, um trem desembestado nos trilhos da loucura!”
A acusação disse: “Ele não era um trem desembestado, ele era engenheiro! Senhoras e senhores, ele enganou muitas pessoas. Por favor, não deixem que este horrível matador os engane.”
O júri deliberou por apenas cinco horas e considerou Jeffrey Dahmer legalmente são, culpado pelas múltiplas acusações de homicídio. Foi sentenciado a 15 prisões perpetuas consecutivas ou um total de 957 anos de reclusão.
Diante da sentença, Dahmer fez a seguinte declaração na Corte:

Meritíssimo
Agora está terminado. Este nunca foi o caso em que tentei me libertar. Eu nunca quis a liberdade. Francamente, queria a morte para mim mesmo. Este caso é para dizer ao mundo que fiz o que fiz, mas não por razões de ódio. Não odiei ninguém. Eu sabia que era doente, ou perverso, ou ambos. Agora acredito que era doente. Os médicos me explicaram sobre minha doença e agora tenho alguma paz... Sei quanto mal causei... Graças a Deus não haverá mais nenhum mal que eu possa fazer. Acredito que somente o Senhor Jesus Cristo pode me salvar dos meus pecados... Não estou pedindo por nenhuma consideração.

Morte

Na prisão, Dahmer recusou as ofertas de custódia protetora, apesar de muitas ameaças contra sua vida. Em 3 de julho de 1994, outro condenado tentou cortar sua garganta na capela da prisão, mas Dahmer saiu do incidente com apenas pequenos arranhões e recusou-se a registrar a acusação. Cinco meses depois, em 28 de novembro, ele estava limpando um banheiro adjacente ao ginásio da prisão quando outro membro do serviço, Christopher Scarver, de 25 anos, apanhou uma barra de ferro de uma máquina de ginástica próxima e atingiu a cabeça de Dahmer, matando-o instantaneamente. Um outro interno, Jessé Anderson, de 37 anos, foi mortalmente ferido no mesmo ataque, morrendo dois dias depois. Suspeitou-se inicialmente de motivo racial no assassinato por Scarver, como muitas das vítimas de Dahmer, ser negro, mas um olhar mais apurado determinou que o assassino estava perturbando, acreditando ser o “filho de Deus” atuando por ordem de seu pai.

Seguem as discussões familiares depois da morte

Após a sua morte, foi criada uma grande controvérsia sobre a doação de seu cérebro para estudos da medicina. Depois da necropsia, o cérebro e outras amostras de tecido ficaram sob os cuidados e supervisão do Dr. Robert W. Huntington, na University of Wisconsin Medical School.
Joyce Flint, ex-Dahmer, tentou contatar o pai de seu filho para submeter esses tecidos a um estudo cientifico conduzido pelo Dr. Jonathan Pincus, da Georgetown University School of Medicine, uma vez que o Dr. Huntington não liberaria o material sem autorização legal. O Dr. Pincus escreveu uma carta na qual pedia o cérebro de Jeffrey Dahmer, que representava “uma chance sem paralelos de possivelmente determinar que fatores neurológicos poderiam ter contribuído para seu bizarro comportamento criminal.”
O Dr. Huntington respondeu que preferia conduzir com extremo cuidado o estudo do cérebro de Jeffrey Dahmer no McLean Hospital, em Boston. Acrescentou que não estava familiarizado com o Dr. Pincus e seus estudos, e sua preocupação era relativa aos escrúpulos que seriam exercidos contra qualquer conclusão prematura. Na opinião dele, o cérebro de Dahmer deveria ser comparado a cérebros de pessoas consideradas normais e daquelas que houvessem agido demonstrando severo comportamento anti-social. Analisar esse cérebro de forma única e isolada e concluir algo sobre esse exame poderia ser perigoso e anticientífico. Se o Dr. Pincus concordasse com essas condições, o Dr. Huntington não veria problemas em encaminhar o material.
O juiz Daniel S. George tinha muitas dúvidas sobre toda essa questão. Jeffrey Lionel Dahmer deixou, por escrito, suas últimas vontades. No testamento estava determinado que seu corpo deveria ser cremado tão cedo quanto possível, e que não houvesse nenhuma cerimônia funerária antes ou depois da cremação.
Joyce Flint, representada por advogado, queria autorização judicial para que o Dr. Pincus realizasse seus estudos, que trariam benefícios públicos consideráveis, além de respostas para os parentes de Jeffrey. Lionel Dahmer não concordava, queria que a vontade do filho prevalecesse. O advogado de Joyce alegava que ele não parecia tão preocupado em seguir a última vontade do filho quando realizou uma cerimônia após a cremação. Lionel argumentou que a cerimônia foi estritamente familiar e não pública.
Em 12 de dezembro de 1995, o juiz George ordenou que o cérebro de Jeffrey Lionel Dahmer fosse cremado.

3 comentários:

  1. Essa história de você decidir o que vai ser do teu corpo depois da morte, é má idéia!
    Porque é necessário que cumpram teu desejo enquanto já nem estarás vivo pra sentir a satisfação de terem te obdecido!?
    Se é o último desejo, então, as pessoas deveriam pensar nos desejos em que é possível ver seu resultado ainda com vida pra poderes morrer feliz (eu acho que é esse o objectivo do famoso último desejo).
    Bom, se você for uma pessoa polémica em vida e deixar bem claro o futuro do seu corpo após morte, fique sabendo que só vais causar mais confusão ainda, mesmo depois de morto!!!

    Sim, mas voltanto ao caso, bem que o juiz podia ter autorizado à favor da investigação do cérebro dele, né? Não vejo motivos fortes pra decisão do juiz.

    Mas não tem problema!!! Há muitos outros cérebros por descobrir, paciência se não pudemos com o cérebro do Jeffrey Dahmer.

    ResponderExcluir